CERIMÔNIA DE ANÚNCIO DE NOVAS MEDIDAS DO PLANO BRASIL SEM MI

19/02/2013 A diretora de Relações Intersindicais e Formação Sindical da FENAS, Margareth Dallaruvera, e a presidente da CNTSS, Maria Aparecida Farias, estiveram presentes na Cerimônia. Na foto, com a Ministra Tereza Campello, do MDS.


A presidenta Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira (19) a extensão da complementação de renda do Bolsa Família para alcançar os últimos 2,5 milhões de beneficiários do programa que ainda permaneciam em situação de extrema pobreza. Assim, o governo federal alcança uma marca histórica: a retirada de 22 milhões de brasileiros da extrema pobreza, do ponto de vista da renda, nos últimos dois anos.

Com a medida, não existirá mais, no Bolsa Família, nenhuma família com renda mensal inferior a R$ 70 por pessoa. Este é o valor adotado como referência no Plano Brasil Sem Miséria e representa o primeiro passo para que essas famílias possam superar a situação de extrema pobreza, que envolve outras variáveis além da renda. A complementação de renda para esses 2,5 milhões de beneficiários do Bolsa Família terá investimento de R$ 773 milhões em 2013. O pagamento se inicia em março.

Aliado à garantia de renda, o plano de superação da extrema pobreza também promove ações de inclusão produtiva – como qualificação profissional, assistência técnica e extensão rural e fomento à produção – e de acesso a bens e serviços públicos, em especial nas áreas de saúde, educação, habitação, acesso à água e à energia elétrica.

Busca ativa – Permanece o desafio do governo federal de identificar e incluir no Cadastro Único para Programas Sociais todas as pessoas que vivem na extrema pobreza no Brasil e ainda são invisíveis ao poder público. Para isso, o reforço da estratégia de busca ativa, com o apoio dos estados e municípios, é fundamental. Desde o início do Brasil Sem Miséria, em junho de 2011, 791 mil famílias com este perfil foram localizadas, cadastradas e incluídas no Bolsa Família. Estima-se que ainda haja outras 700 mil fora do cadastro.

Por meio do Cadastro Único, o poder público conhece quem são os brasileiros mais pobres, onde vivem, quais as características de seus domicílios, sua idade, escolaridade etc. Assim, pode incluir essas famílias em programas de transferência de renda e também matricular seus integrantes em cursos profissionalizantes, oferecer-lhes serviços de assistência técnica e extensão rural, dar-lhes acesso a água ou a tarifas reduzidas de energia elétrica, por exemplo. A Tarifa Social de Energia Elétrica, o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Verde são alguns exemplos de ações que utilizam o Cadastro Único como referência para a seleção de beneficiários.

Veja também

Nossa posição em Defesa da Classe Trabalhadora do Brasil

Nossa posição em Defesa da Classe Trabalhadora do Brasil

24/04/2015 - A Federação Nacional dos Assistentes Sociais manifesta sua posição em Defesa da Classe Trabalhadora do BrasilAtualmente, a Súmula 331 do Tri...

ERRATA NOTA PÚBLICA

ERRATA NOTA PÚBLICA

24/04/2017 - A Federação Nacional dos Assistentes Sociais vem através desta errata corrigir o texto da nota pública, publicad...

ASSISTENTE SOCIAL GANHA PRÊMIO DE RECONHECIMENTO INTERNACION

ASSISTENTE SOCIAL GANHA PRÊMIO DE RECONHECIMENTO INTERNACION

27/04/2013 - PRÊMIO DE RECONHECIMENTO INTERNACIONAL PARA A ASSISTENTE SOCIAL SONIA MARTINS SEIXAS POR SUA LIDERANÇA NA PROMOÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL CLÍNICO...

SASERJ Alagoas realiza IX Conferência de Assistência Social

SASERJ Alagoas realiza IX Conferência de Assistência Social

20/09/2013 - Evento acontece nos dias 09 e 10 de setembro e traz como tema central 'A Gestão e o Financiamento na Efetivação do SUAS'A Secretaria Estadua...

NewsLetter

Cadastre-se e receba informações exclusivas por e-mail