Reforma trabalhista: Retrocesso

31/05/2017

A Federação Nacional dos Assistentes Sociais através do seu Jurídico disponibiliza o documento abaixo para entendimento sobre as mudanças da reforma trabalhista.

Marlise Nunes Bauler – OAB/RS 53.316
Ana Cristina Costamilan – OAB/RS 30.229

 

Você já sabe o que muda na vida do trabalhador com a reforma trabalhista?

O Projeto de Lei 6.787, de 2016, intitulado reforma trabalhista, importa em significativas mudanças na vida do trabalhador, ferindo direitos constitucionais e suprimindo direitos garantidos na CLT, deixando o trabalhador refém do empregador!

A reforma trabalhista merece e deve ser amplamente discutido com a sociedade, não se esquecendo, por óbvio, que os trabalhadores fazem parte dela, não podendo ser aprovada, com a alegada urgência que se coloca,

A reforma trabalhista permite mudanças negativas e retrocesso em pontos específicos, que dizem respeito ao salário, à jornada de trabalho, assistência sindical, acesso à justiça, entre outros, ferindo direitos fundamentais, historicamente garantidos pela CLT!

O governo tenta enganar a população, alegando que a mudança dará mais autonomia aos trabalhadores, além de gerar mais empregos, o que não é verdade, pois a reforma visa somente beneficiar o empresariado!

Veja as principais mudanças:

 

Tempo de Trabalho

Como é hoje: A CLT considera serviço efetivo o período em que o empregado está à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens.

Como pode ficar: Não são consideradas dentro da jornada de trabalho as atividades no âmbito da empresa como descanso, estudo, alimentação, interação entre colegas, higiene pessoal e troca de uniforme.

 

Jornada de Trabalho

Como é hoje: Jornada diária de até 8 horas

Como pode ficar: Jornada diária de até 12 horas

 

Contrato Temporário

Como é hoje: 90 dias com prorrogação de até 90

Como pode ficar: 180 dias com prorrogação de até 90.

 

Descanso

Como é hoje: O trabalhador que exerce a jornada padrão de 8 horas diárias tem direito a no mínimo uma hora e a no máximo duas horas de intervalo para repouso ou alimentação e esse intervalo só pode ser reduzido se a empresa possuir refeitório.

Como pode ficar: O intervalo dentro da jornada de trabalho poderá ser negociado, desde que tenha pelo menos 30 minutos. Além disso, se o empregador não conceder intervalo mínimo para almoço ou concedê-lo parcialmente, seja na área urbana ou rural, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho apenas sobre o tempo não concedido em vez de todo o tempo de intervalo devido e sem natureza salarial.

 

Remuneração

Como é hoje: Os prêmios habituais, as gratificações e as diárias de viagem superiores a 50% do salário têm natureza salarial, somando-se ao salário.

Como pode ficar: O prêmio perde a natureza salarial, assim como as gratificações contratuais não previstas em lei. Também foi retirada a natureza salarial das diárias de viagem superiores a 50%.

 

Equiparação Salarial

Como é hoje: Para obstar a equiparação salarial o plano de cargos e salários precisa ser homologado no Ministério do Trabalho e conter previsão alternada de promoção ora por merecimento ora por antiguidade. Permite-se a equiparação em cadeia e não era computado o tempo de serviço no emprego como requisito para o direito à equiparação.

Como pode ficar: O plano de carreira não precisa de homologação e pode prever a promoção apenas por merecimento ou apenas por antiguidade para obstar o direito à equiparação. Foi impedida a equiparação em cadeia por aumento salarial concedido por decisão judicial e exigido tempo de serviço no emprego de 4 anos.

 

Tempo de Percurso

Como é hoje: O tempo de deslocamento no transporte oferecido pela empresa para ir e vir do trabalho, cuja localidade é de difícil acesso ou não servida de transporte público, é contabilizado como jornada de trabalho.

Como pode ficar: O tempo despendido até o local de trabalho e o retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado na jornada de trabalho.

 

Danos morais

Como é hoje: Os juízes estipulam o valor em ações envolvendo danos morais. O Código Civil tem aplicação subsidiária, permitindo a indenização por danos decorrentes de atividade de risco e o dano reflexo ou ricochete.

Como pode ficar: A proposta impõe limitações ao valor a ser pleiteado pelo trabalhador, estabelecendo um teto para alguns pedidos de indenização. Ofensas graves cometidas por empregadores devem ser de no máximo 50 vezes o último salário contratual do ofendido. Foi excluída a aplicação do Código Civil e com isso não terá cabimento a reparação de dano moral decorrente de atividade de risco ou o dano ricochete.


Gravidez

Como é hoje: Mulheres grávidas ou lactantes estão proibidas de trabalhar em lugares com condições insalubres.

Como pode ficar: É permitido o trabalho de mulheres grávidas em ambientes considerados insalubres, desde que haja autorização por atestado médico que garanta que não há risco ao bebê nem à mãe.



Rescisão contratual

Como é hoje: A homologação da rescisão contratual deve ser feita em sindicatos ou na Delegacia Regional do Trabalho de empregados com mais de 1 ano de serviço.

Como pode ficar: Não haverá mais a homologação da rescisão do contrato de trabalho, sob a justificativa de segurança do empregador, o Projeto retira a assistência sindical gratuita prestada ao trabalhador, no momento da rescisão, sendo a alteração nitidamente prejudicial, já que o trabalhador não terá condições financeiras para contratar um advogado. E ainda assim, caso contrate para pagar após o recebimento da rescisão, terá que ceder parte dos valores rescisórios, sendo outro retrocesso se comparado com a atual norma.

  

Contribuição sindical

Como é hoje: A contribuição é obrigatória. O pagamento é feito uma vez ao ano, por meio do desconto equivalente a um dia de salário do trabalhador.

Como pode ficar: A contribuição sindical será opcional, o que poderá acarretar em enfraquecimento das entidades sindicais.

  

Dispensa Coletiva – O Projeto insere o art. 477-A, na CLT, para autorizar a dispensa coletiva, independentemente da intervenção sindical, dispensando a intervenção do Sindicato, justamente no momento em que este poderá ajudar na busca de soluções para minimizar o impacto das demissões em massa na economia e na sociedade.

 

Termo de quitação anual – O texto institui o termo de quitação anual, a ser assinado perante o Sindicato, com eficácia liberatória das parcelas especificadas. Passada a quitação anual com eficácia liberatória, caso não represente a realidade fática vivenciada, ou seja, caso não tenha recebido a parcela ali discriminada, o trabalhador terá grande empecilho para discutir judicialmente tal obrigação trabalhista, o que representaria o mesmo que renunciasse à parcela em questão.

 

Justiça GratuitaModifica o art. 790, §3º, da CLT, instituindo que a justiça gratuita será concedida, a requerimento ou de ofício, àqueles que perceberem salário igual ou inferior a 30% (trinta por cento) do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social. Retira a possibilidade de o trabalhador declarar que não possui condições de pagar as custas do processo, sem prejuízo do próprio sustento. Além disso, determina que a parte comprove a insuficiência de recursos. A medida restringe o acesso do trabalhador à Justiça

 

Empregado com nível superior – O Projeto insere o parágrafo único ao artigo 444, da CLT, o qual prevê a livre estipulação dos termos contratuais, para o empregado graduado e com salário superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios da Previdência Social. O empregado pode, ainda, acordar com o empregador as mesmas matérias negociadas pelos Sindicatos, em Convenção Coletiva de Trabalho ou Acordo Coletivo (art. 611-A).

Pelos valores atuais, o empregado que recebe o valor superior a R$11.052,62 é considerado, pelo Projeto, como plenamente capacitado para negociar as cláusulas de seu contrato de trabalho. No entanto, o fato de receber referido salário e de ser graduado não significa dizer que o empregado esteja em pé de igualdade com o empregador.

A empresa é estruturada para as negociações, pois além da área de Recursos Humanos, possui advogados contratados para prestarem consultorias. O trabalhador, por sua vez, não tem a mesma estrutura da empresa, nem contratará advogados para orientá-lo na elaboração dos termos contratuais, até porque, no mais das vezes, encontra-se desempregado e sem recursos para tanto no momento da admissão. Ademais, vale pontuar que um empregado que recebe o salário bruto de R$11.052,62 tem desconto de 11% de contribuição previdenciária (R$1.215,78) e depois de 27,5% de imposto de renda (R$2.705,13), sobrando-lhe, líquido, o valor de R$7.131,71.

 

Arquivo completo dísponível em: https://goo.gl/HNlQGU


Veja também

7º CONGRESSO CNTSS/CUT: Resistir ao Golpe e Lutar pela Democracia foram destaques nos Debates travados pelos Trabalhadores

7º CONGRESSO CNTSS/CUT: Resistir ao Golpe e Lutar pela Democracia foram destaques nos Debates travados pelos Trabalhadores

25/01/2017 -   Delegados presentes ao 7º Congresso da CNTSS/CUT discutiram os desafios da Seguridade Social no atual cenário do Brasil&...

Plano de Saúde: muda a regra para ressarcimento

Plano de Saúde: muda a regra para ressarcimento

20/03/2017 - Portaria normativa editada pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP) define novas regras para a assist&ec...

Piso salarial dos Assistentes Sociais

Piso salarial dos Assistentes Sociais

10/07/2013 - Aprovação do PL 5278/2009 - Mobilização Nacional promovida pela FENAS já tem mais de 11 mil assinaturasA Federação Nacional dos Assistentes ...

FENAS INFORMA AOS ASSISTENTES SOCIAIS DO BRASIL

FENAS INFORMA AOS ASSISTENTES SOCIAIS DO BRASIL

24/05/2017 - Primeiramente # FORATEMER Conheçam os Projetos de Lei específicos da categoria que tramitam no Congresso Nacional! Esses Pro...

NewsLetter

Cadastre-se e receba informações exclusivas por e-mail